O que você precisa saber sobre financiamento imobiliário?

Segundo os melhores especialistas da área imobiliária, o momento atual é extremamente favorável para comprar um imóvel, seja ele para morar ou até para investir. A queda da taxa Selic e mudanças no sistema de financiamento brasileiro têm incentivado a compra de imóveis no país.

A S.A Imóveis concorda com as notícias da atualidade e está aqui para ajudá-lo (a) a realizar o seu sonho de ter a casa própria. Para isso, é preciso entender alguns fatores e termos do mercado, para que você possa decidir com clareza e principalmente segurança.

Se você procura um imóvel para comprar, essas informações com certeza vão ajudá-lo (a) a tomar a melhor decisão. Tem dúvidas? Entre em contato com a nossa equipe ou deixe nos comentários. Nossos consultores estão à disposição para ajudá-lo (a) a fazer a melhor escolha, afinal, imóvel é na S.A Imóveis.

A S.A Imóveis divide esse sonho com você e o melhor: está pronta para ajudar na realização dele.

Confira as dicas que separamos!

Para começar: o que é o financiamento de um imóvel?

O financiamento de um imóvel nada mais é do que um empréstimo que você faz com o banco quando quer comprar um imóvel. O banco paga o valor do imóvel à vista ao proprietário e, você paga esse empréstimo ao banco, geralmente através de uma entrada (valor à vista) e o restante em parcelas, com juros.

Como as taxas de juros de financiamento são definidas?

Os juros imobiliários são o preço pago pela pessoa para adquirir o empréstimo. As instituições financeiras cobram essas taxas para terem a possibilidade de lucrar em cima do ato de emprestar o montante de crédito para seu cliente.

Assim, cada instituição financeira analisa as tendências do mercado e a concorrência para estipular os seus próprios valores. O funcionamento é quase igual a qualquer outro produto de qualquer outro mercado.

Porém, todos esses fatores contribuem apenas para a definição dos juros mínimos e máximas praticada pelos credores. A variação da taxa de juros entre os clientes se dá por meio de uma análise financeira minuciosa, em que todo o histórico do consumidor é levantado e considerado.

Quais as opções de financiamento imobiliário?

São quatro tipos de financiamento imobiliário vigentes hoje no país:

– Sistema Financeiro de Habitação (SFH)

– Sistema Financeiro Imobiliário

– financiamento diretamente com a construtora

– carteira hipotecária.

Basicamente, a diferença entre cada um dos tipos está na taxa de juros e nos recursos que podem ser utilizados para pagar/amortizar a dívida, e o índice de correção.

O que é preciso para obter o financiamento?

O banco faz uma análise sobre a sua capacidade de pagamento, seu histórico anterior como pagador e também um levantamento sobre a existência de dívidas pendentes.

As condições básicas para iniciar o processo são:

– RG (carteira de Identidade

– CPF (Cadastro de Pessoa Física)

– Comprovante de estado civil

– Comprovante de rendimentos (holerite ou extratos bancários)

Autônomos podem comprovar renda por meio do contrato de prestação de serviços, declaração do Imposto de Renda, declaração do sindicato da categoria, recibo de recebimento por trabalhos prestados ou uma Declaração Comprobatória de Recepção de Rendimentos (Decore), feita por contador.

A comprovação de renda do comprador indicará sua capacidade de pagamento das prestações, pois o valor delas não pode ser maior que 30% da renda familiar bruta.

Não havendo problemas, é aprovada a liberação de crédito com um período de validade que varia de acordo com o banco (o dinheiro não é liberado nesse momento).

O que é a taxa Selic?

O termo Selic é uma sigla que significa Sistema Especial de Liquidação de Custódia, um sistema do Banco Central (BC) que registra todas as operações relacionadas aos títulos escriturais do Tesouro Nacional.

A Selic é a taxa básica de juros do país, e serve de referência para outras taxas de juros (financiamentos) e para remunerar investimentos corrigidos por ela. A Selic não representa exatamente os juros cobrados dos consumidores, que são muito mais altos.

A Selic influencia diretamente no custo de captação, ou seja, quanto os bancos pagam para conseguir levantar dinheiro para emprestar, mas ela representa apenas uma parte dos juros cobrados pelos bancos.

Ou seja: quando o Banco Central altera a meta para a taxa Selic, a rentabilidade dos títulos indexados a ela também se altera, mudando o custo de captação dos bancos.

Você pode encontrar mais informações sobre essa taxa no site do Banco Central. Acesse: https://www.bcb.gov.br/controleinflacao/taxaselic

E o que a queda da taxa Selic quer dizer?

A diminuição da taxa Selic é uma estratégia do governo para aquecer o setor de construção e habitação, o que deixa o momento favorável para quem pretende comprar um imóvel.

O valor total do imóvel pode ser financiado?

Normalmente, alguns bancos oferecem linhas de financiamento de até 90% do valor do imóvel, incluindo os do âmbito do programa Minha Casa, Minha Vida. Portanto, é necessário que o comprador tenha no mínimo 10% do valor do imóvel para dar de entrada. Este percentual pode ser maior dependendo da instituição financeira.

Posso usar meu FGTS?

O FGTS só pode ser utilizado para dar entrada, pagar prestações ou quitar o imóvel se houver o mínimo de 36 meses de contribuições.

Por outro lado, o FGTS só é aceito na modalidade do Sistema Financeiro de Habitação, e, mesmo assim só se não houver nenhuma parcela atrasada e para um teto máximo de 80% do valor das prestações.

Quais as vantagens de financiar um imóvel?

– O imóvel pode ser utilizado imediatamente

– Pagamento das prestações a longo prazo

– Não precisa ter o valor total à vista

– O imóvel pode servir como fonte de renda extra

– Mais segurança e conforto para sua família

– Acaba com os gastos com aluguel

Se este post clareou as informações sobre financiar um imóvel, agora é só partir para o próximo passo: a escolha. Pode contar com a S.A Imóveis: temos as melhores opções para você realizar o sonho da casa própria. Acesse: www.saimoveis.com.br e faça-nos uma visita.